August 2, 2011

O VÍCIO DO OFÍCIO

Sai da linha de tiro, porra!”

É uma verdade inconveniente. Em algum momento, todo repórter torce pro circo pegar fogo. 

Na última madrugada, eu entrevistava um tenente da ROTA quando o rádio da viatura ao lado avisou que havia um tiroteio em andamento.

Imediatamente, meus olhos brilharam. Logo imaginei uma matéria quente, imagens cinematográficas, uma reportagem corajosa.

Larguei a história sobre uma estelionatária que eu estava fazendo em Sapopemba (Zona Leste) e rasgamos a cidade até o Jaçanã (Zona Norte), local do tiroteio, em meia hora. 

Encontramos a Avenida Guapira bloqueada. Havia 25, talvez trinta carros da PM — inclusive da Força Tática e da ROTA — e ainda quatro ou cinco equipes da Polícia Civil — Garra e Grupo de Operações Especiais.

Já desci do carro da TV com o microfone ligado e o experiente cinegrafista Gilmário Batista, com a câmera gravando.

Éramos a primeira equipe de reportagem no local.

O barulho do helicóptero Águia conferia um clima de inquietação a um cenário já bastante tenso. Do telhado da agência bancária, bandidos haviam disparado tiros de fuzil contra os policiais na rua, que revidaram com suas pistolas e revólveres.

Era 1h30 da madrugada, há mais de meia hora nenhum tiro era disparado. Tentamos conseguir um ângulo melhor, para ver a frente da agência. No limite da prudência.

Sai da linha de tiro, porra! Lá pra trás, depois da viatura." Ordens de um sargento, prontamente atendidas.

Significava que a situação ainda não estava controlada e que os bandidos continuavam oferecendo resistência.

Não demorou muito, policiais entraram na agência. Ação rápida e silenciosa. Prenderam um, pelo menos três escaparam.

A adrenalina baixou, nenhum outro tiro seria disparado.

Aquela expectativa de uma matéria recheada de adrenalina não se confirmou. Mas deixou um perigoso gostinho de “quero mais”.

  1. madrugadatimes posted this
Blog comments powered by Disqus